On domingo, 22 de novembro de 2009

Venho atraves deste blog falar principalmente da minha individualidade e fazer com que conquiste a sua e passe a fazer o que lhe agrada. Proponho uma leitura rapida sem grandes textos e formas rebuscadas de lhes mostrar minha forma e meu conceito de como vejo o mundo e quero conhecer o de vcs que venham me visitar. Concordando ou discordando.

Mostrar formas divertidas, desprendidas tbm de ver a vida de uma forma critica sem perder todo o seu dia pensando nisso. Que a visão de quem pensa por si só não seja uma pessoa inteligente (para poucos) mas sim de caráter e acima de tudo sábia. Queria um blog que falasse tudo que citei acima e a essencia disso sou eu... uma das principais caracteristicas que as pessoas lembram de mim eh a de ser ateu e o a toa eh por eu pensar que naum precisa gastar sua vida como o crente faz tentando refuta-los. Ora se vc eh ateu ou naum se preocupa com religião, simplesmente viva feliz, vc eh livre!!! Só respeite as leis e se não respeitar seja igual aos políticos, esconda!!!!!






À toa e à-toa
© Professor Paulo Hernandes



À toa e à-toa

Essas expressões diferem na grafia, no significado e na classe de palavras. Vejamos:
À toa – Grafada sem hífen, essa locução adverbial significa “a esmo, sem objetivo definido, sem proveito”: “Ficou andando à toa por aí”, “Está lá, escrevendo à toa” e “Cansei-me à toa”.
À-toa – Com hífen, é locução adjetiva e significa “desprezível, sem importância, inútil”: “Aquele é sujeito à-toa mesmo”, “É besteirinha, coisa à-toa” e “Não adianta, é ajuda à-toa”. Apesar de funcionar como adjetivo, não varia: “São papéis à-toa”.

As duas têm pronúncia idêntica e, por isso, são consideradas, tecnicamente, homônimas homófonas. Embora o Aurélio registre como étimo (palavra de origem) o inglês tow, lê-se em ALMEIDA, 1981: 5 (verbete “A toa”) que “toa” é vocábulo que se origina do árabe tuha, que, por sua vez, provém do verbo taha, “andar de forma errante, vagando, sem rumo”. Trata-se de termo da linguagem náutica que quer dizer “cabo utilizado para um navio rebocar outro que não tem propulsão própria”. Dessa forma, a “toa”, ao rebocar o barco, impede que ele flutue sem rumo. Da língua especializada, a expressão passou para a língua geral.

O Aurélio registra essas locuções com “à”, embora autores renomados dispensem a crase, conforme se vê em ALMEIDA, 1999, §§ 534 e 535. Assim, ainda que “à toa/à-toa” e “a toa/a-toa” sejam formas corretas, recomenda-se aqui a observação do emprego da crase nessas locuções conforme o exposto na Dica n.º 40.

Leia mais em:
Dicionário de questões vernáculas, de Napoleão Mendes de Almeida.
Inculta & bela, de Pasquale Cipro Neto, pp. 29 e 99.
1001 dúvidas de português, de José De Nicola e Ernani Terra, p. 13.
Não erre mais!, de Luiz Antonio Sacconi, p. 354.
Todo o mundo tem dúvida, inclusive você, de Édison de Oliveira, pp. 20-21.

© Todos direitos reservados.

Camisas Vero

1 comentários:

joanaperi disse...

hahah....sucesso!
Gostei dese texto,querido***

beijos.......

Postar um comentário

Antes de postar, conheça as "Regras", por favor.